11 de Janeiro de 2017 - 18h45

Copom reduz juros, e taxa básica vai a 13%


O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central confirmou mais uma vez as expectativas do mercado e reduziu novamente a taxa básica de juros, desta vez com mais intensidade, em 0,75 ponto percentual, para 13% ao ano. Foi o terceiro corte seguido – os anteriores haviam sido de 0,25 ponto cada. A decisão foi unânime e sem viés.


Marcelo Camargo/Agência Brasil
 

 

A Selic permaneceu em 14,25% do final de julho de 2015 até outubro do ano passado, quando teve duas reduções antes da decidida nesta quarta (11), no encerramento da reunião do Copom. Os 13% significam o menor nível em quase dois anos, desde março/abril de 2015. Em termos reais, descontada a inflação, a taxa é de 6,31%, quase duas vezes maior que há um ano.

Já se esperava uma redução maior da taxa de juros devido às previsões de que a crise econômica vai durar mais do que se previa. O anúncio feito nesta quarta da inflação oficial (IPCA) de 2016, em 6,29%, abaixo do teto da meta, reforçou essa expectativa.

“O conjunto dos indicadores sugere atividade econômica aquém do esperado. A evidência disponível sinaliza que a retomada da atividade econômica deve ser ainda mais demorada e gradual que a antecipada previamente”, diz o Comitê, em nota divulgada ao término da reunião. “A inflação recente continuou mais favorável que o esperado. Há evidências de que o processo de desinflação mais difundida tenha atingido também componentes mais sensíveis à política monetária e ao ciclo econômico.”

No comunicado, o Copom diz que avaliou reduzir a taxa básica para 13,25%, sinalizando intensidade maior para a próxima reunião, marcada para 21 e 22 de fevereiro. “Entretanto, diante do ambiente com expectativas de inflação ancoradas, o Comitê entende que o atual cenário, com um processo de desinflação mais disseminado e atividade econômica aquém do esperado, já torna apropriada a antecipação do ciclo de distensão da política monetária, permitindo o estabelecimento do novo ritmo de flexibilização.”

Para o presidente da Força Sindical, o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (SD-SP), a redução é positiva, mas insuficiente. “Esperamos, agora, que esta queda anunciada pelo Copom seja o início de uma nova etapa, com juros mais baixos. Reduzir os juros é um primeiro e decisivo passo rumo à recuperação da economia nacional”, afirmou, em nota.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) considerou a decisão acertada “diante da forte desaceleração da inflação e da frustração das expectativas de recuperação da atividade econômica”. Mesmo considerando a medida importante para a recuperação, a entidade acrescenta que “uma trajetória sólida de redução dos juros e a manutenção das taxas em patamares baixos no longo prazo dependem do avanço das medidas de ajuste fiscal”. A CNI cita a emenda de teto de gastos, já aprovada, e a proposta de reforma da Previdência, em tramitação no Congresso.



 Fonte: RBA




Versão Clássica

Portal Vermelho: Rua Rego Freitas, 192 - 4º andar. Centro - São Paulo - SP - CEP 01220-010 - Tel.: (11) 3054-1837